POEMA ESCROTO

Sinto o perfume do seu sovaco

Ardor ardido, gostoso, fedido

Seu suor marcado na roupa

Grudada à pele, que coisa boa!

 

Adoro cutucar a caca do seu nariz

Sentir seus sabor na minha boca

Acariciar as micoses da sua pele

Sentir o cheiro que dela expele

 

Nos beijos, o sabor do tártaro

Proporciona um momento raro

Por você sou vidrado, pirado...

 

Tu és minha musa escrota

Que desfila e sorri toda marota

Espalhando seu fedor, putrificada garota.



Copyright © 2014 - Todos os Direitos Reservados à Marcela Re Ribeiro - Reprodução Proibida

LIVROS DA AUTORA

​SIGA-ME

  • Facebook Classic
  • Instagram ícone social
  • LinkedIn ícone social
  • Twitter Classic
  • c-youtube

© 2018 Todos os Direitos Reservados à Marcela Re Ribeiro